O Museu de Arte Interplanetária (MAI) de Rubens Matuck

31 março 2014

A História em Quadrinhos “As Aventuras de Sir Charles Mogadom & do Conde Euphrates de Açafrão” (2009) foi o resultado de 30 anos de trabalho e por 40 anos Rubens Matuck imaginou ainda em sua infância a estrutura desta saga. Para esta epopeia contou com o auxílio de seus irmãos Carlos e Artur no roteiro e até de sua esposa Rosely Nakagawa. A primeira história foi publicada em 1975, nos anos 80  foi recomendado por um de seus mestres o escultor e pintor José Antônio Van Acker a seguir adiante, pois está história seria “a síntese de sua obra”. Na magia desta bela história, personagens e seres foram surgindo e uma áurea mágica se envolveu nestes contos que se completam e se fundem, numa história que não parece ter início, nem fim.

Nesta história, na fictícia cidade de Damar, no planeta Unx localiza-se o MAI (Museu de Arte Interplanetária) onde Obda  W. Leuly personagem da história é fundador da cidade e curador. A partir da ideia da HQ Matuck imaginou o potencial que este museu poderia ter em reunir artistas de diversos planetas, estes: Urupin, Tênebra e a própria Terra.  Os artistas que expõe no MAI são artistas de culturas, planetas e concepções distintas. Os artistas convidados pelo museu são heterônimos plástico de Matuck, traduzidos em linguagens plásticas e estilos próprios, estes são: Alfred Katz, Bárbara Lichenstock, Giovanni Castinetti, João Motta Martins, Pierre Mugnac, Piet Van Acker e Piollo Mathematicalle.

Cada artista tem estilo, história e personalidade artística única, começaremos por Bárbara Lichenstock norte-americana de Chicago, coletando objetos encontrados no planeta Urupin, Bárbara reuni-los em caixas como o célebre artista norte-americano Joseph Cornell. João Motta Martins é um artista dos trópicos, fascinado pela variedade de animais existente em Urupin, todos desconhecidos da comunidade intergalática. Piet Van Acker, carrega a tradição Abstrata Informal em suas veias, aquarelista nato registra com delicados movimentos do pincel, alterações luminosas e nuances. Alfred Katz nasceu em Berlim e faz uma busca incessante de paisagens insólitas em diversos planetas. Pierre Mugnac é um estudioso da cor e sua pesquisa vai muito além do espectro humano, com estudos a partir de composições cromáticas e geométricas Mugnac tem tido resultados surpreendentes. Giovanni Castinetti artista de terras meridianas é conhecido por representar vegetais em óleo sobre painel, carregando a tradição milenar do painel, Castinetti já participou de inúmeras expedições por todas as colônias do Sistema Solar. Piollo Mathematicalle é um artista das tradições antigas, oriundo da matemática seus trabalhos vão desde pequenos cadernos até imensas esculturas tridimensionais.

Retrato de Obda W. Leuly curador do MAI, óleo sobre painel de Rubens Matuck, 1993 “O MAI é um centro intergalático da dúvida, pois acredito que exercitar essa capacidade de questionar é fazer ciência” Obda Leuly

Pequena caixa de Bárbada Lichenstock

Página da HQ “As Aventuras de Sir Charles Mogadom & do Conde Euphrates de Açafrão” em litogravura Museu de Arte Interplanetária – MAI

Aquarela abstrata do europeu Piet Van Acker

Paisagem de Alfred Katz

Waldir Bronson

Previous story Next story

T

o

P

o