Heróis, das HQs ao Cinema

31 março 2017

Os super-heróis é um dos grandes sucessos financeiros dos cinemas na atualidade, vivemos um verdadeiro “boom” de produções cinematográficas uma overdose de títulos e personagens. No entanto suas origens remontam a história a própria história da humanidades, dos mitos e das lendassobrenaturais.

A partir de 1930 os quadrinhos norte-americanos viveram uma verdadeira revolução, quando técnicas cinematográficas de enquadramento, planos e sequências foram empregadas nas histórias em quadrinhos. Além duma narrativa mais harmoniosa como em “Terry e os Piratas”(1934) de Milton Caniff um dos precursores por utilizar  o mesmo personagem em diversos planos e também o lendário Will Eisner e seu detetive Spirit, abusou de ângulos dramáticos e cortes em suas histórias.  O aparecimento dos heróis com codinomes e identidades secretas surgiram também nos anos 30, como: “O Fantasma”(1936) e “Mandrake”(1934) de Lee Falk, “Flash Gordon”(1934) de Alex Raymond, “Batman”(1939) de Bob Kane e o “Super-Homem”(1938) de Jerry Siegel e Joe Schuster, este o precursor dos super-heróis.

Na Europa os desenhistas adotaram histórias mais longas lançadas em álbuns de formatos maiores, diferente dos quadrinhos norte-americanos, como é o exemplo do desenhista belga Hergé em “As Aventuras de Tintim”, valorizando histórias extensas com o repórter Tintim, sempre viajando pelo mundo em aventuras e conflitos em diferentes culturas, vale frisar que seu autor demorava muitas vezes um ano para preparar um Álbum, tamanha a complexidade do roteiro e a riqueza de detalhes dos lugares onde seu personagem estava. Sua histórias influenciaram a criação da série cinematográfica “Indiana Jones” de Steven Spielberg.

A Segunda Guerra Mundial mudou totalmente o contexto e as histórias em quadrinhos como um todo,  muitos países proibiram a entrada de material norte-americano, como foi o caso da Itália. Hergé foi acusado de simpatizante ao nazismo por publicar suas histórias durante a ocupação alemã em jornais comandados pelos alemães. Vários personagens foram usados como propaganda, Tarzan extermina nazistas que pretendiam instalar uma base de submarinos na África, o detetive Dick Tracy persegue espiões, Super-Homem trabalha a favor dos aliados caçando submarinos alemães no Atlântico e derrubando aviões japoneses no Pacífico. O personagem que mais cresceu durante este período foi Tintim que em 1944 possuía uma tiragem de 275 mil exemplares, dez anos depois chegaram a 4,5 milhões.

O pós-guerra e os anos 60 foram anos marcantes numa nova linha de super-heróis, muitos deles tinham suas vidas marcadas por  desastres que interferiam de alguma forma em sua estrutura física, a influência dos filmes de ficção científica é evidente neste período. Não podendo deixar de esquecer das consequências da Segunda Guerra Mundial na sociedade como um todo, no emprego de armas tecnológicas e na iminência da extinção da raça humana. A guerra nuclear e a Guerra Fria foi o pano de fundo desse contexto, sempre em busca de um humano perfeito que superasse e transcendesse a capacidade física e mental.

Stan Lee(1922) foi um dos grandes gênios dos quadrinhos e figura principal do novo perfil dos heróis contemporâneos no qual conhecemos, sem Stan Lee nossos super-heróis não teriam tanta veracidade  como vemos. Os Heróis de Stan Lee tem problemas pessoais, sofrem de decepções amorosas e vivem dilemas familiares, estas características acrescentadas por ele humanizou mais os heróis ao invés de distancia-los da nossa realidade. As histórias eram mistos de Ação e Ficção Científica, além trazer temas bastante atuais como mutação e alterações genéticas em seus personagens. Além do fabuloso escritor e roteirista Stan Lee a Marvel Comics contava com um time fantástico de desenhistas como Jack Kirby, Steve Ditko e John Romita que trariam ao mundo um time inesquecível de super-heróis como: Coisa, Thor, Incrível Hulk, Homem-Aranha, Capitão América, Homem de Ferro, X-Men, Demolidor, entre outros.

 

Milton Caniff incorporou recursos cinematográficos ao desenho

“O Fantasma” de Lee Falk primeiro herói a usar máscara

Primeira aparição do Batman em Maio de 1939 da revista Detective Comics

Super Homem o primeiro super-herói

Alguns personagens notáveis de Stan Lee idealizados no início dos anos 60

 

 

tagged with:

Waldir Bronson

Previous story Next story

T

o

P

o